Em setembro do ano passado os fundadores do Seats2meet.com, Ronald van den Hoff e Marielle Sijgers, foram para o Brasil para o lançamento do conceito em solo nacional. Em países como a Holanda o mercado de coworking já está estabelecido, e apesar de estar crescendo rapidamente ainda é um mercado novo.

No Brasil até o conceito de coworking é novo, assim como o home office e freelancing. Mas estão crescendo. Grandes empresas, como a Ernst & Young, já estão adotando o home office para alguns dos funcionários; com a crise atual e maior desemprego, trabalhar como freelancer e o empreendedorismo aumentam, junto com a necessidade de espaços de coworking.

O site coworkingbrasil.org acompanha o crescimento do mercado no Brasil todo ano e acabou de publicar o censo desse ano. Adivinhe só? Os resultados são incríveis. Agora existem 378 espaços de coworking no Brasil, 52% a mais do que esse mesmo mês no ano passado. Em estados como o Rio de Janeiro o crescimento foi de 75% e no estado com o maior numero de espaços, São Paulo, o crescimento foi de 56% com 148 no total.

Em media cada espaço tem 57 coworkers – as pessoas que usam o espaço. 30% deles ficam abertos 24h todos os dias. 26% aceitam animais de estimação dentro do espaço. 92.9% organizam eventos para quem usa os espaços. Os lucros vem na maioria das vezes das mesas ou salas de escritório locadas, já que o modelo no Brasil é de um aluguel mensal.

Espaços de coworking não vencem nos negócios apenas por serem lugares para locar. Esses espaços constrem toda uma comunidade dentro deles que se ajuda, se apoia e fazem negócios entre eles também, aumentando a chance de sucesso dos freelancers e empreendedores que estão neles.